Termos e tipos de e-commerce: conheça-os!

Hoje existem alguns termos e tipos de e-commerce que podem confundir nossas mentes na hora de desenvolver um negócio. Antes de implementá-lo o ideal é planejá-lo muito bem e ter ideia de todos os passos e contatos necessários para não somente começar mas mantê-lo. O objetivo desse artigo é clarear um pouco melhor cada um desses termos para ajudá-lo na hora de escolher com qual tipo de e-commerce você quer trabalhar. Mas, antes de tudo:

Você sabe quando surgiu o próprio termo e-commerce?

O termo vem do inglês e, como muitos sabem ou podem ter imaginado, significa literalmente comércio eletrônico. No Brasil, em oposição às lojas físicas, também são chamados de lojas virtuais. Segundo os sites Doutor E-commerce e E-commerce Brasil os primeiros comércios eletrônicos surgiram em 1970, nos Estados Unidos, e eram comércios para transações financeiras. Tem-se registro que como loja virtual, somente em 1995, com o surgimento da Amazon, é que os e-commerces passaram a ter o estilo que hoje conhecemos. Muitas décadas depois dos primeiros tipos, logo que a internet surgiu no Brasil, tem-se registro do primeiro e-commerce brasileiro, em 1996, seguido em 1999 pela poderosa rede Submarino.

Quanto aos tipos de e-commerce:

Marca própria – nada mais é do que você ter uma plataforma para vender seus próprios produtos e/ou produtos que você tem armazenados em seu estoque. Nesse caso, você será responsável por todo o processo de venda, desde a captação de público interessado na sua loja virtual até o envio dos produtos.

Dropshipping – a diferença do dropshipping para a loja de marca própria, é que você não será responsável por armazenar e enviar os produtos. Servirá de um intermediário para oferecer produtos de diferentes fornecedores.

Marketplace – É um tipo misto dos dois primeiros. Além de oferecer produtos estocados em sua empresa, também oferecerá produtos de outras empresas em seus estoques. Com certeza você já viu, leu e/ou ouviu um “vendido e entregue por” + nome de outra loja, que não é a que está comprando. Pois, então, esse é o Marketplace e está cada vez mais popular, por justamente facilitar a venda de marcas menores e ao mesmo tempo poder rentabilizar um pouco sobre essas vendas, sem precisar investir em logísticas de estoque e transporte. Podendo, claro, ainda assim, dar maiores vantagens aos seus próprios produtos, como uma entrega mais rápida e/ou mais barata.

Marketplace de aluguel de Produtos – funciona como um hub onde as empresas podem oferecer especificamente o aluguel de produtos. Conhecendo um pouco mais, você verá que é um marketplace de nicho, pois cada um volta-se a segmentos específicos, como vestidos de festas e máquinas de construção civil.

Viu como não é tão difícil de compreender esse conceitos?
E agora que você sabe um pouco mais, pode nos chamar no Whats por aqui e solicitar a sua consultoria de negócios (veja mais em Consultoria de Negócios) ou, se está mais seguro, pedir diretamente um orçamento para a sua plataforma.

 

Você também pode gostar de saber sobre:

Você sabe o que é o serviço de SEO?

Web Core Vitals: A métrica de SEO do Google para 2021

Saiba como funcionará o Pix em sua empresa

 

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 5 =

%d blogueiros gostam disto: